O que fazemos | Nefrostomias / Implante de prótese ureteral

Fig.1: Sistema Urinário.
Fig.1: Sistema Urinário.

Nefrostomia é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo, realizado por radiologistas intervencionistas, que consiste na criação de uma comunicação entre o sistema urinário (fig.1) e o meio externo, através de uma incisão mínima na região dorsal do paciente.

É indicado nos casos em que há uma obstrução no trajeto da urina do rim até a uretra, levando a uma dilatação do sistema coletor renal. Esta dilatação é conhecida como hidronefrose (fig.2) que cronicamente leva a insuficiência renal e aumenta significativamente o risco de se desenvolver uma infecção urinária grave. As principais causas de hidronefrose são cálculos urinários, tumores do trato gênito-urinário e malformações congênitas.

O procedimento é guiado por imagem em tempo real (raios X e ultrassom) para o implante de um cateter comunicando o rim obstruído com uma bolsa coletora de urina.

Fig.2: Exemplo de hidronefrose por doença benigna.
Fig.2: Exemplo de hidronefrose por doença benigna.

Atualmente existem bolsas coletoras discretas que são fixadas na cintura dos pacientes sob a roupa, melhorando a qualidade de vida e evitando constrangimentos.

Em algumas situações, é possível a ultrapassagem da área de obstrução com o uso de fio guia e cateteres especiais, permitindo a implantação de um cateter Duplo J, que nada mais é que um cateter que possui uma extremidade que é posicionada no rim e outra na bexiga, fazendo assim uma drenagem interna da urina, permitindo que a urina volte a ser eliminada de maneira fisiológica (fig.5 e 6).

As complicações mais comuns do procedimento são a hematúria (sangue presente na urina) e dor que, na maioria das vezes, são auto-limitadas desaparecendo em 24 a 48 horas. O tempo de internação hospitalar necessário é geralmente de um dia, podendo em alguns casos selecionados, ser realizado de maneira ambulatorial.

Fig.3: Ilustração que demonstra as etapas do procedimento de nefrostomia que consistem na punção do sistema coletor de urina do rim, passagem do fio guia e implante do cateter de nefrostomia.
Fig.3: Ilustração que demonstra as etapas do procedimento de nefrostomia que consistem na punção do sistema coletor de urina do rim, passagem do fio guia e implante do cateter de nefrostomia.
Fig.5: Ilustração de um cateter duplo J.
Fig.5: Ilustração de um cateter duplo J.
Fig.6: Urotomografia demonstrando tumoração na parede posterior da bexiga ocluindo os ureteres próximo as suas entradas na bexiga (à direita). A imagem no centro demonstra a ultrapassagem da área de obstrução com o uso do fio guia e a imagem à esquerda demonstra o aspecto final após o implante bem sucedido de um cateter duplo J no rim direito.
Fig.6: Urotomografia demonstrando tumoração na parede posterior da bexiga ocluindo os ureteres próximo as suas entradas na bexiga (à direita). A imagem no centro demonstra a ultrapassagem da área de obstrução com o uso do fio guia e a imagem à esquerda demonstra o aspecto final após o implante bem sucedido de um cateter duplo J no rim direito.

Marque sua consulta

Escreva seu nome, email e telefone que entraremos em contato para agendarmos a sua consulta.

Nome
E-mail
Telefone